A partir de 2017, o centenário prédio do Colégio Arnaldo, em Belo Horizonte-MG, passará por uma grande reforma. A previsão é de que os trabalhos durem três anos. Segundo João Guilherme Porto, diretor executivo da Associação Propagadora Esdeva e ex-aluno, o projeto vai revitalizar a construção histórica e dará à escola verbita novos espaços, ampliando o atendimento.

Antes mesmo de as obras começarem, a iniciativa já é um sucesso. O projeto de restauração do auditório recebeu a menção honrosa na XVIII Premiação do Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), Seção Minas Gerais. O trabalho da Horizontes Arquitetura e Urbanismo, responsável pela proposta, foi reconhecido na categoria Conservação e Requalificação do Patrimônio Construído. O prêmio foi entregue no último dia 7, em Belo Horizonte.

O arquiteto Gabriel Velloso, diretor da Horizontes, explica que o auditório é parte de uma importante e histórica edificação, tombada pelo patrimônio histórico belo-horizontino. O objetivo é modernizar as instalações e melhorar conforto e eficiência acústica, permitindo realização de eventos do colégio e externos. “A restauração e preservação do equipamento ampliará o acesso a um espaço com importância histórica para toda a comunidade”, afirma.

Pesquisa

Para elaborar o plano, o arquiteto Marcelo Palhares Santiago, responsável pela remodelação do auditório e também diretor da Horizontes, revela que foi feita uma pesquisa nos arquivos do Departamento de Patrimônio do Município (DIPC) e no acervo da própria escola verbita. “A equipe da Horizontes também já conhecia bastante a história do colégio por estar desenvolvendo outro importante projeto, o anexo do Colégio Arnaldo”, conta.

Marcelo explica que o projeto do auditório se baseou em duas premissas. Uma delas é a preservação do patrimônio, com a valorização do forro existente, além da recuperação da fachada original, demolindo os “puxados” não originais. A outra é a busca de soluções técnicas e materiais de revestimento que garantam alto desempenho acústico e isolamento dos ruídos externos. Ele esclarece que outros detalhes serão definidos posteriormente, pois a forma de execução ainda está em desenvolvimento.

Nova história

A reforma do edifício como um todo é parte de um plano bem maior. Segundo padre Anselmo Ribeiro, superior da Província Brasil Norte da Congregação dos Missionários do Verbo Divino, a centenária escola verbita quer construir uma nova história.

“Já começamos com uma marcha em vista da maior qualidade do ensino. Hoje o colégio ocupa uma posição já em ascensão no ENEM. Esperamos estar entre os dez primeiros colocados em Belo Horizonte. Outro momento desta história é a revitalização de suas estruturas, o que, incontestavelmente, trará novos ares ao seu entorno”, declara.

O provincial afirma que o projeto do auditório é parte da remodelação do pátio, das áreas de lazer e de esporte. Padre Anselmo reforça que haverá a demolição de alguns acréscimos que descaracterizam o imóvel tombado. Segundo o verbita, será construído também um estacionamento subterrâneo e um novo anexo destinado especialmente para o ensino infantil.

Tradição

O edifício do Colégio Arnaldo foi construído entre 1913 e 1914. O projeto é de José de Magalhães e padre Frederico Vienken. O colégio ocupa uma quadra inteira do bairro Funcionários, na região central da capital mineira. O bloco histórico é composto por uma edificação em forma de “L”, em estilo eclético, com três torres que marcam as esquinas e compõem a paisagem.

Equipe premiada

Conceito: Horizontes Arquitetura e Urbanismo – Gabriel Velloso da Rocha Pereira (arquiteto urbanista), Luiz Felipe de Farias (arquiteto urbanista) e Marcelo Palhares Santiago (arquiteto urbanista). Colaboradoras: Fernanda Boratto, Iris Dias, Silvia Guastaferro e Rita de Cássia Jácome (estagiária).

 
Edição para SVD-Esdeva: Alessandro Faleiro Marques, com informações de Pe. Anselmo Ribeiro, SVD; João Guilherme Porto e da Horizontes Arquitetura e Urbanismo. Imagens: Lucas Silva e Horizontes Arquitetura e Urbanismo (www.horizontesarquitetura.com.br).