Na Solenidade de Corpus Christi celebrado no dia 31 de maio, a comunidade saiu ás ruas caminhando em procissão com Jesus Sacramento.

A procissão lembra a caminhada do povo de Deus, que é peregrino, em busca da terra prometida e a adoração ao Santíssimo Corpo de Cristo é um dos gestos mais profundos de comunhão que podemos estabelecer com Cristo.

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, nas palavras do Papa Bento XVI: “Convida-nos a contemplar o mistério supremo da nossa fé: a Santíssima Eucaristia, presença real do Senhor Jesus Cristo no Sacramento do Altar. Cada vez que o sacerdote renova o sacrifício eucarístico, na oração da consagração, ele repete: “Este é o meu corpo (…) este é o meu sangue”. Ele empresta sua voz, as mãos e o coração a Cristo, que quis permanecer conosco e ser o coração da Igreja”.

A procissão solene constitui o testemunho público da piedade do povo cristão para o Santíssimo Sacramento. O sacerdote com o ostensório é que caminha por cima do tapete. Neste dia, o Senhor toma posse das nossas ruas e praças, atapetadas em muitos lugares com flores e ramos que simbolizam também a expressão de uma gratidão profunda pela presença real de Jesus na Eucaristia. As imagens nos tapetes simbolizam a expressão de fé na presença real de Jesus na Eucaristia.

A festa de Corpus Christi remete século XIII. No ano de 1264, o Papa Urbano IV estendeu esta solenidade para toda a igreja. Neste mesmo período surgiu também a procissão com o ostensório (que carrega o Corpo de Cristo), por ruas enfeitadas nas cidades e aldeias. Os tapetes confeccionados expressam a fé e o amor do povo cristão por Jesus que volta a passar pelas ruas das cidades e lugarejos.

Fonte G1