A Prefeitura de Belo Horizonte através do prefeito Alexandre Kalil, cancelou o evento Coroação da Nossa Senhora das Travestis, do grupo teatral Academia Transliterária, que convida o público a coroar a ‘Nossa Senhora das Travestis’.

O anúncio foi feito por meio da conta do chefe do executivo no Twitter. “Defendo todas as liberdades. Sou católico, devoto de Santa Rita de Cássia. Fiquem tranquilos, ninguém vai agredir a religião de ninguém. Isso não é cultura. Estou comunicando que o evento está cancelado”. 

A apresentação 

Até o final da manhã desta sexta-feira, (19/07) mais de 15 mil pessoas haviam assinado uma petição criado pelo católicos na internet, que pede a anulação do evento “Coroação da Nossa Senhora das Travestis”, programado para acontecer neste sábado, durante a Virada Cultural de Belo Horizonte.

O documento pede que o prefeito, Alexandre Kalil, cancele o ato, considerado uma blasfêmia e afronta contra os cristãos, informando que o ato, se realizado, poderia ser considerado crime previsto no artigo 208, do Código Penal: ‘Vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena – detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa'”, continua a mensagem publicada na petição.

“Senhor Prefeito Alexandre Kalil, os cristãos e todos os homens de boa vontade vêm pedir o cancelamento do evento ‘Academia TransLiterária’, previsto para acontecer no dia 20/07, sábado, na Virada Cultural de Belo Horizonte. A razão é que foi autorizada pela Secretaria de Cultura de Belo Horizonte, a realização de uma blasfêmia ‘Coroação da Nossa Senhora das Travestis’. Tal ato é uma afronta grave e direta contra o sentimento religioso dos cristãos, majoritários no Brasil e em Belo Horizonte”, diz o texto.

Ainda segundo o documento, a “referida coroação, financiada com dinheiro público, envergonha e assusta os belo-horizontinos, os cidadãos ordinários e católicos. Autorizar tal vilipêndio mancharia a história da cidade e tornaria criminoso o uso de verbas públicas que, obtidas pelo suor dos cidadãos, seriam empregadas em favor de um grupo truculento que chama de arte o desrespeito, a blasfêmia, o acinte, a gozação, enfim, o brincar com o sagrado”.

O deputado federal Eros Biondini, tomou conhecimento da polêmica, e  publicou um vídeo pedindo respeito e considerando a performance uma “zombaria com a fé de um povo inteiro”.  Na gravação, ele diz ter recebido centenas de mensagens de pessoas indignadas com o espetáculo. 

A Arquidiocese de Belo Horizonte também se manifestou publicamente contrária a apresentação, convocando os católicos em um comunicado a se manifestarem:  

A Arquidiocese de Belo Horizonte, por seu Pastor Maior, dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo e presidente da CNBB, seus bispos auxiliares, padres, diáconos, religiosos e religiosas, ministros, evangelizadores e povo de Deus, das suas mais de 1500 comunidades de fé, publicamente rebate, com indignação, a ação preconceituosa e criminosa de desrespeito à fé cristã católica, o evento de título “Coroação a Nossa Senhora dos Travestis”.

Exigimos e esperamos que as autoridades competentes e os organizadores suspendam este evento, por ser incontestável fomento ao preconceito e à discriminação, desrespeito aos valores da fé cristã católica, devendo saber que estão comprometendo , gravemente, a paz e o exigido relacionamento cidadão respeitoso.

Os muitos títulos de Nossa Senhora, Mãe de Jesus, são uma riqueza da tradição cristã católica, que refletem a proximidade e a reverência do povo em relação à Maria Santíssima. Na raiz de cada devoção Mariana, residem bonitas tradições e histórias de graças alcançadas, que merecem reverência e respeito. Por tudo isso, causa perplexidade ver, em uma sociedade que carece tanto de fraternidade, atitudes de desrespeito à fé e a Nossa Senhora.

A devoção Mariana nasce e cresce no coração da Igreja. Atravessa gerações graças à fé e à simplicidade do povo. Não é admissível instrumentalizar Nossa Senhora, desrespeitando-a, para se promover um evento que se diz cultural, mas, na verdade, configura-se em agressão à fé cristã católica.  Não se cultiva tolerância a partir do desrespeito.

Convocamos todos os católicos a se manifestarem, exigindo respeito e a suspensão imediata desta criminosa ação, um desrespeito. Seja também acolhido o nosso pedido, protocolado junto a autoridades e instâncias competentes de defesa da verdade e da moralidade, das quais se espera o posicionamento legal e urgente, com a proibição desse ato abominável contra a fé cristã católica.

Católicos , paróquias, instituições católicas, associações, movimentos eclesiais e novas comunidades, todos nós,  manifestemos fortemente, neste momento, para que prevaleça o bom senso, a verdade e a justiça pela paz! 

Fonte: Estado de Minas  / BHZ / Arquidiocese de BH / Pascom Fajardo.