Queridos Jovens!

O meu predecessor, o Papa Bento XVI, colocou nas vossas mãos um Catecismo para Jovens, o YOUCAT. Hoje gostaria de entregar a vocês outro livro, o DOCAT, que contém a Doutrina Social da Igreja. No título está escondido o verbo inglês «TO DO». O DOCAT responde à pergunta «Como agir? O que fazer?», – é como que um manual de instruções que nos ajuda, com o Evangelho, em primeiro lugar, a transformarmo-nos a nós mesmos, depois a transformarmos o nosso ambiente mais próximo e, por fim, o mundo inteiro. Na verdade, com a força do Evangelho, podemos transformar realmente o mundo.

Jesus diz: «O que fizerdes a um dos meus irmãos mais pequenos é a Mim que o fazeis.» Muitos santos sentiram‑se profundamente tocados por esta passagem da Escritura. São Francisco de Assis mudou por isso radicalmente a sua vida. Santa Teresa de Calcutá converteu‑se por causa destas palavras. E Charles de Foucault confessou:

Não há em todo o Evangelho nenhuma palavra que tenha exercido mais influência na minha vida do que esta: Tudo o que fizerdes a um dos meus irmãos mais pequeninos é a Mim que o fazeis. Quando penso que esta palavra saiu da boca de Jesus, a Palavra eterna de Deus, que diz isto: Isto é o meu corpo, […] isto é o meu sangue […]. Como me vejo então chamado a procurar e a amar Jesus sobretudo nos pequenos, nos mais pequenos.»

Queridos amigos jovens! Só a conversão do coração pode tornar mais humana a nossa Terra cheia de terror e de violência. E isso significa paciência, justiça, prudência, diálogo, integridade, solidariedade com as vítimas, com os pobres e os ainda mais pobres, dedicação sem limites, amor que vai até à morte pelos outros. Se tiverdes compreendido isto profundamente, então como cristãos comprometidos podereis transformar o mundo. O mundo não pode continuar como está. Se hoje um cristão passa ao lado da necessidade dos mais pobres dos pobres, na realidade não é cristão!

Será que realmente não podemos fazer mesmo nada para que a revolução do amor e da justiça se torne realidade em muitas partes deste torturado planeta? A Doutrina Social da Igreja pode ajudar muitos Homens! Sob a competente direção dos cardeais Christoph Schönborn e Reinhard Marx, foi constituído um grupo de trabalho para apresentar aos jovens a mensagem libertadora da Doutrina Social Católica, com o qual colaboraram conhecidos cientistas e também jovens. Jovens católicos de todo o mundo enviaram as suas melhores fotografias. Outros jovens deram os seus pareceres sobre o texto, formularam questões ou apresentaram sugestões e contribuíram assim para que o texto possa ser bem compreendido. A Doutrina Social chama a isto «participação»! O próprio grupo aplicou a si mesmo um importante princípio da Doutrina Social. Foi assim que o DOCAT se tornou uma excelente orientação para a ação cristã.

Aquilo a que atualmente chamamos Doutrina Social da Igreja Católica teve a sua origem no século XIX. Com a industrialização emergiu um capitalismo brutal: uma espécie de economia que aniquila os seres humanos. Grandes industriais sem consciência fizeram com que as pobres populações agrícolas trabalhassem duramente com salários de miséria em minas ou em fábricas sem condições. Havia crianças que já não viam a luz do dia. Eram como escravos, enviadas para debaixo da terra para puxarem vagões de carvão. Muitos cristãos ajudaram com grande empenho nesta necessidade, mas depressa perceberam que isso não era suficiente. Então desenvolveram ideias a fim de agirem social e politicamente contra a injustiça. O documento que é considerado fundador da Doutrina Social Católica continua a ser a encíclica do Papa Leão XIII, Rerum novarum, sobre os novos problemas sociais, publicada em 1891. O Papa escreveu de um modo claro e sem equívocos: «Retirar ao operário o seu merecido salário é um pecado que brada aos céus.» A Igreja empenhou toda a sua autoridade para lutar pelos direitos dos operários.

Porque as necessidades dos tempos assim o exigiam, a Doutrina Social Católica foi, com o passar dos anos, enriquecida e apurada. Muitos debates se realizaram sobre a comunidade, a justiça, a paz e o bem comum. Foram elaborados os princípios da personalidade, da solidariedade e da subsidiariedade, que o DOCAT também explica. No entanto, e em rigor, não se pode dizer que a Doutrina Social tem a sua origem neste ou naquele Papa ou neste ou naquele pensador. Ela brota do coração do Evangelho. Ela brota do próprio Jesus. Ele é em pessoa a Doutrina Social de Deus.

«Esta economia mata», como referi na minha Exortação Evangelii Gaudium (nº 53), porque, de facto, ainda existe nos nossos dias «aquela economia da exclusão e da disparidade dos rendimentos». Há países onde 40% ou 50% dos jovens estão sem trabalho. Em muitas sociedades, os idosos são rejeitados, porque aparentemente não têm “valor” e já não são “produtivos”. Extensões inteiras de terra são despovoadas, porque os pobres fogem para os bairros de lata das grandes metrópoles com a esperança de aí encontrarem alguma coisa para poderem sobreviver. A lógica produtiva de uma economia globalizada arruinou as modestas estruturas econômicas e agrícolas das suas regiões. Cerca de 1% da população mundial possui em média 40% da riqueza mundial e 10% da população mundial possui 85%. Por outro lado, “pertence” a metade da população mundial aproximadamente 1% deste mundo. 1,4 mil milhões de Homens vive com menos de 1 euro por dia.

IMG_2925Quando hoje vos convido a conhecer realmente a Doutrina Social da Igreja, não estou a imaginar apenas grupos de estudo debaixo de uma árvore. Isso é bom! Fazei isso! Mas o meu sonho é maior: eu espero que um milhão de jovens, mais ainda, que uma geração inteira, seja, para os seus contemporâneos, uma Doutrina Social em movimento. O mundo só mudará quando homens com Jesus se entregarem por ele, com Ele forem para as periferias e para o meio da miséria. Ide também para a política e lutai pela justiça e pela dignidade humana, sobretudo dos mais pobres. Todos vós sois a Igreja. Trabalhai para que esta Igreja se transforme, para que seja viva, porque se deixa interpelar pelos gritos dos desprovidos de direitos, pelos clamores dos que sofrem todo o tipo de necessidade e daqueles pelos quais ninguém se interessa.

Ponde‑vos, portanto, vós mesmos em movimento. Se muitos colaborarem nesta ação comum, então as coisas irão melhorar neste mundo e os homens poderão sentir que o Espírito de Deus age através de vós. E talvez então vós sereis como tochas que tornam mais claro para esta Humanidade o caminho para Deus. Por isso dou-vos hoje este excelente livro, para que ele acenda em vós um fogo. Eu rezo por vós todos os dias. Rezai também por mim!

Sempre vosso,

img-assinatura-papa-francisco

Papa Francisco

Fonte You Cat News