Pela primeira vez, o número de mortes pelo coronavírus no mundo superou aquele da China. Na Itália, mesmo com as medidas de restrição para conter o Covid-19, 11 padres morreram devido à doença, e outros seguem infectados e se recuperando. Como o bispo de Cremona, Dom Antonio Napolioni, de quarentena, que convida a viver este período de Quaresma “dramaticamente dura, mas precisamente, por isso, perfeita”.
 

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta segunda-feira (16), que a pandemia do Covid-19 é “a grande crise sanitária global dos nossos tempos”. Pela primeira vez, o número de mortes pelo coronavírus no mundo superou aquele da China e são mais de 85 mil contágios.

As medidas de restrição para conter a disseminação da doença estão sendo adotadas, inclusive, dentro da Igreja católica para preservar fiéis e consagrados. Na Itália, um comunicado oficial da Conferência Episcopal lembrou que o período é “de grande responsabilidade” e “proximidade ao país”.

Ouça e compartilhe!

A pandemia, porém, mesmo com as disposições, atingiu os responsáveis pela atenção pastoral aos fiéis. Segundo reporta a agência de notícias ACI, onze sacerdotes já morreram na Itália, vítimas do Covid-19. A maioria estava na região da Lombardia, de onde se originou a disseminação do coronavírus no país: 6 morreram na cidade de Bérgamo, três em Bréscia e um em Cremona. O outro padre falecido estava na região da Emilia-Romagna.

Os infectados pelo Covid-19

 

No caso de Bérgamo, os dois últimos sacerdotes falecidos são Pe. Silvano Sirtoli, de 59 anos, e Pe. Giancarlo Nava, de 70 anos. Outros 20 padres testaram positivo e alguns, inclusive, já se recuperaram.

Entre os infectados pelo Covid-19 está o bispo de Bérgamo, Dom Francesco Beschi, que segue se recuperando bem. Já o bispo de Cremona, Dom Antonio Napolioni, recuperado, retornou à residência episcopal nesta segunda-feira (16) para o período de convalescença e 14 dias de quarentena. Depois, o prelado deverá refazer os exames para confirmar que já não tem a doença.

Período “perfeito” de conversão

 

Dom Antonio assegura que esta crise deve ser vivida como “uma oportunidade para a conversão” neste tempo de Quaresma. Em entrevista concedida ao Vatican News, quando ainda estava internado, mostrou pesar pelo falecimento, no mesmo hospital em que se encontrava em Bérgamo, do sacerdote de 75 anos, Pe. Vincenzo Rini, ex-presidente da agência SIR (Serviço de Informação Religiosa), diretor do semanário diocesano “La Vitta Cattolica” e presidente da Federação Italiana de Semanários Católicos.

Ao viver a doença em primeira pessoa, o bispo exortou a não ter medo e a aproveitar este período de isolamento domiciliar para “redescobrir a presença do Senhor de uma forma muito mais poderosa e fiel”. Uma Quaresma “dramaticamente dura, mas precisamente, por isso, perfeita”.