Por Caio Marques Fernandes

Com esse artigo, tem-se como objetivo mostrar a relação das novas juventudes com a comunicação e entender o papel da Igreja nesse processo. Sobre a comunicação, a Igreja nos afirma que “o comunicador cristão tem como primeiro objetivo anunciar Jesus Cristo e seu Reino, colaborar com o bem comum, com a comunidade em suas necessidades e com a superação dos problemas sociais, éticos e religiosos” (documento 105, n. 271a).

Precisamos entender, primeiramente, que a juventude atual vive em uma sociedade que explora os aspectos visuais.  São tantas informações colocadas na sociedade, que se torna impossível absorvê-las por completo. Um mundo em que acontecimentos relatados do outro lado do mundo se torna disponível em questões de segundos em uma tela de celular. Os contatos pessoais são cada vez mais trocados por aplicativos, “economizando” o tempo das pessoas e substituindo cada vez mais a vida em sociedade pela vida tecnológica.

Saturados com esse aspecto visual, os jovens de hoje precisam entender o porquê das coisas, ser conquistado e encantado com o motivo daquilo que está sendo comunicado. Portanto, torna-se necessário o contato pessoal com esses jovens. A juventude que, hoje, tem um culto ao eu, ao seu próprio corpo, a individualidade e a liberdade, mergulha cada vez mais em solidão (nunca se viu uma taxa tão alta de depressão), por falta de contato humano e social.

É importante que a Igreja entenda esse processo para que, através de seus grupos de comunicação, consigam alcançá-los. Como enfatizado pelos bispos do Brasil no documento 105, a Igreja “reafirma a opção preferencial pelos jovens, proclamadas em Puebla e o zelo pela pastoral juvenil.” Continua o documento: “Pedimos aos presbíteros, aos consagrados e às consagradas, aos diáconos e a todos os agentes de pastoral que se aproximem, apoiem e incentivem os jovens no seu protagonismo na Igreja e no mundo. Cabe a todos nós incentivar e acompanhar a vocação sacerdotal e religiosa, leiga e missionária, e a vocação ao matrimônio” (documento 105, n.55).

Caio Marques Fernandes
Coordenador do Setor Juventude RENSE
Professor de Matemática