“Feliz a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo que ele escolheu para sua herança.”

Salmos 33.12

Como anda sua participação como cidadão em sua comunidade?

As eleições são um período que nosso sentido de cidadania, que deveria ser constantemente exercitado, se torna aflorado. O que é cidadania? Por que em períodos eleitorais eles são tão discutidos e lembrados?

Primeiro e mais importante é ter a consciência de que é cidadania e, então questionar-se a cerca de nossa atuação e prática como cidadão, aquele responsável pela comunidade e consequentemente, a sociedade em que estamos inseridos.

Em resumo, e baseando-se no senso comum, podemos entender a cidadania como toda prática que envolvecultura_e_cidadania reivindicação, interesse pela coletividade, organização de associações, luta pela qualidade de vida, seja na família, no bairro, no trabalho, ou na escola. Considerando este simples conceito, atentemo-nos para as questões que são colocadas acima.

Comumente somos meros expectadores dos absurdos políticos, que nos atingem como flecha de modo direto, nos submetendo ao lugar de meros espectadores ou simples apontadores de erros? Ou atuantes defensores dos nossos direitos, como parte de uma sociedade maior e desigual?

Fazer nossa parte e ser atuante, acompanhando a construção da nossa sociedade é um dever, tudo começa com você mesmo. É cobrar-nos o mínimo de honestidade e dignidade, nos questionando diariamente em nossas pequenas atitudes. Elas tendem a ser voltadas para um bem comum ou individualizadas?

Infelizmente, o mundo moderno nos coloca cada vez mais individualistas, bem como sem autonomia de pensamento, tornando o povo mais facilmente manipulável. Deixemos de ser “moedas de troca”, para tomar consciência e até nos dar maior valor e podermos com a estima elevada, não apenas reclamar ou lamuriar das decepções políticas e ações ou comportamentos que nem nós mesmos realizamos, para nos tornar parte atuante e assim tornar cidadão.

Este artigo propõe uma reflexão sobre o que fazemos por nós e nossa sociedade como um todo, e que futuro estamos preparando para nossos entes queridos. Nos damos conta a que ou a quem, estamos sendo submetidos, enquanto na verdade somos nós que temos o poder? Infelizmente, vemos com uma visão tão apequenada e turva que não enxergamos. Estamos agindo como verdadeiros cidadãos?

Neste tempo de eleições, políticos usam problemas que o cidadão vive diariamente, mas só se deu conta agora? Em que planeta estávamos antes das eleições? Somente de dois em dois anos paramos e pensamos na coletividade e não no próprio umbigo?

Feliz a nação cujo Deus é o Senhor… No entanto, sem sua primorosa contribuição aqueles que são omissos e ignoram seu papel, abrem espaço para os que espertamente querem o poder.

Importante ressaltar que este artigo é apolítico e não tendencioso a nenhuma linhagem partidária, tem apenas a obrigação de promover reflexões pessoais e sonhar com uma sociedade digna de seus cidadãos.

Lara ReisLara Reis

Psicóloga