Na tarde de 4 de agosto, aconteceu na comunidade Nossa Senhora da Conceição, o primeiro encontro de formação para a Consagração a Jesus pelas mãos de Maria, segundo o tratado de São Luis Maria Grignion de Monfort. Ao todo 48 pessoas vão ser consagradas no domingo 15 de setembro, dia de Nossa Senhora das Dores.

A devoção mariana sistematizada pelo Tratado tem como objetivo nos dispor a imitar a própria Santíssima Trindade, que quis Maria como cooperadora no plano da salvação. O perfeito devoto da Virgem Santíssima oferece tudo o que tem a Maria, para ela depois transmiti-lo ao Pai, numa corrente de graças que contribui para a nossa salvação e a salvação de nossos irmãos. Para isso, o Tratado propõe um itinerário de preparação para a consagração, a ser realizada numa data específica, de preferência numa festa mariana, na presença de um sacerdote, e renovada anualmente.

A consagração a Nossa Senhora ensinada por São Luís Maria Grignion de Montfort não diverge em nada das promessas e votos do batismo, pois consiste numa consagração total da pessoa à Santíssima Trindade pela mediação da Santíssima Virgem Maria: “Tudo com Jesus, nada sem Maria” – diria um ditado popular certamente inspirado nessa devoção. Assim, trata-se, efetivamente, de algo como uma atualização dos compromissos assumidos por todo cristão batizado, por meio das práticas interiores e exteriores da consagração (cf. n. 115-116, 213, 257). Logo, a natureza do Tratado e sua finalidade última contestam qualquer deturpação que ele possa sofrer e qualquer mau uso que se possa fazer da devoção por ele proposta, a fim de que esta não seja confundida com uma mariolatria que nada tem que ver com nossa condição de filhos adotivos de Deus, adoção essa que se imprime em nós pelo sacramento do batismo, pelos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo e na unidade do Espírito Santo.

Consagração a Santíssima Virgem (Formação)

Foto: João Lucas – Pascom Fajardo – Fonte Vida Pastoral