Resultado de imagem para noivos na igreja

A celebração do amor entre o homem e a mulher, poeticamente cantado no Cântico dos Cânticos, é a metáfora da relação entre o Senhor e o seu povo. Canta o amor único e indivisível; a eternidade e força do amor, a paridade e a pertença mútuas. O casamento é pois, sacramento da Aliança de Amor entre o Senhor e sua esposa, o povo.

 Para as escrituras cristãs, o casamento é sinal da festa e da alegria do Reino. Nas palavras de Jesus,  a festa do casamento, muitas vezes, é empregada para falar do tempo da salvação. O episódio das bodas de Caná, em estreita relação com a paixão de Jesus, narra a manifestação de sua glória, como relação esponsal. Sinaliza a salvação presente em Jesus, que supõe acolhida, fé: ele é o noivo, que convida a humanidade ás núpcias e ao banquete nupcial.

 Dada a importância da vida matrimonial, a catequese de matrimônio da paróquia decidiu seguir as orientações pastorais proposto no diretório litúrgico da Arquidiocese de Belo Horizonte. O diretório orienta o envolvimento e a participação de toda a comunidade, tendo o pároco e as lideranças paroquiais como os primeiros responsáveis por esse itinerário que tem os seguintes passos:

1º Passo: Inscrição

Os noivos devem entrar em contato com a paróquia de domicílio, ou onde os noivos frequentam, ou onde será celebrado o matrimônio, manifestando o desejo de se casar. Antes de marcarem o casamento, deverão agendar uma conversa com os catequistas, no mínimo seis meses antes da data pretendida. Os catequistas de matrimônio irão coletar os dados de contato onde irão organizar uma visita à casa de um dos noivos onde irão realizar um encontro de acolhida e escuta: quem são os noivos, conhecendo a história de vida, da fé e do amor deles, orientando eles sobre o caminho que são chamados a percorrer para celebrar o matrimônio na comunidade cristã.

2º Passo: Itinerário Mistagógico de Preparação para o matrimônio:

Os catequistas vão realizar na casa de um dos noivos de preferência com os familiares e padrinhos uma série de três a nove encontros, é um momento importante para conversar e rezar com eles a partir do “sentido do matrimônio cristão”, seguindo um roteiro como por exemplo a “novena dos noivos”. O último encontro seja também o momento propício para a benção do noivado que pode ser presidida pelo catequista, pelos pais ou pelos ministros ordenados.

3º Passo: Momento de Espiritualidade:

Reunindo vários casais em um encontro com o objetivo de adentrar no mistério do matrimônio a partir de sua celebração litúrgica, contemplando aspectos da vida conjugal e familiar. Esse encontro é conduzido pelo pároco.

Esse encontro acontece três vezes ao longo do ano nas datas de 29 de abril, 05 de agosto e 07 de outubro.

4º Passo: Conclusão da habilitação do processo matrimonial onde foi iniciado

onde foi iniciado e preparação da celebração obedecendo o Ritual do Matrimônio com todas as suas possibilidades, envolvendo a equipe da Pastoral Litúrgica e outros colaboradores.

5º Passo: Celebração do Matrimônio

Os noivos, junto à comunidade cristã, na presença do padre, encontram-se para celebrar o matrimônio. A celebração deve prezar pela beleza e simplicidade, ao mesmo tempo em que manifesta a acolhida e a alegria deste importante momento da vida dos noivos.

6º Passo: Benção do novo lar

Os catequistas que acompanharam os noivos ou o padre visitam e abençoam o novo lar nos primeiros quatro meses após a celebração do matrimônio. A Paróquia pode propor entronizar no novo lar um ícone da sagrada família. deixando com o casal os horários e a programação da vida paroquial. A Pastoral Familiar pode organizar um encontro anual com os casais que receberam o sacramento do matrimônio naquele ano.

7º Passo: Engajamento missionário:

Os catequistas devem convidá-los e incentivá-los para os trabalhos pastorais e missionários da igreja, especialmente os da pastoral familiar. Sejam também incentivados á inserção social como expressão do compromisso batismal, enriquecido pelo matrimônio.

A celebração do sacramento do matrimônio é uma verdadeira festa para os noivos, para suas famílias e para a comunidade cristã. Nela deve ser ressaltada a riqueza da palavra de Deus, da oração comunitária e dos gestos próprios do sacramento.Ela deverá ser de fato, vivencia orante do Mistério de Cristo que se entregou pela igreja, como os noivos são chamados a se entregarem um ao outro.

Fonte Diretório Litúrgico Arquidiocese de BH