Publicado originalmente no site dom total

Por Tânia da Silva Mayer*

O ser humano contemporâneo parece caminhar sem rumo e por estradas que conduzem a lugar nenhum. E essa nossa caminhada errante é sintoma da enfermidade de sentido que vivemos. Na tentativa de preencher o vazio que a perda do sentido provoca, tornamo-nos itinerantes em busca do que possa fomentar em nós sensações de completude. Nessa esteira de ver satisfeito nosso desejo, tornamo-nos consumidores materiais e espirituais à espera que o cartão de crédito ou um frasco de água benta nos faça saturar definitivamente a incompletude que somos. Isso é um grande engano. Sentir falta, não nos sentirmos preenchidos define também nossa existência, permitindo também que desejemos e nos mobilizemos para estancar a sede que sentimos.

E por falar em sede, o salmo 42-43 serve bem para ilustrar a sede e o desejo humano de Deus, bem como a abertura para acolher o Deus que se revela em Jesus Cristo e se dá a conhecer ao mundo. Tal salmo é fiel representação da existência humana (pessoal e/ou comunitária), que no âmago de sua alma sente desejo de Deus. O salmista é reflexo do desejo antropológico por Deus, aqui representado pela alma do orante que está angustiado. Sua situação é a de alguém que está longe do seu espaço familiar, distante de sua terra, exilado. Provavelmente está fora de Jerusalém, do Templo, na região montanhosa do sul do Hermon. O salmista vive nostalgicamente, uma vez que já não contempla mais a “face de Deus” em seu Santuário. E é em meio à opressão que ele o busca para não perdê-lo.

O salmo 42 compõe seu cenário no contexto da natureza: uma corça sedenta está em busca de um poço para matar sua sede (v. 2). A figura da corça, (também podemos chamar de cervo) é muito apreciada dentro da literatura bíblica. Muitas vezes é relacionada com o mundo da divindade, tomada como a mediadora do céu e da terra; quando associada ao ser humano, diz respeito à imortalidade, ao sucesso. A crítica textual ressaltará que o v. 2 ao descrever tal animal o apresenta na qualidade de um animal macho, sobrepondo-se a sua figura feminina. No entanto, esta está mais próxima das questões vitais, tal como o parto e do nascimento. De modo geral, a figura do animal é representação da força humana em sentido físico e espiritual. No salmo em questão, o desejo vital pela água que a corça sente é metáfora da ansiedade que o salmista tem por Deus. De fato, tal como a água é fundamental para o florescimento da vida na terra dura e seca, assim Deus é fundamental para o ser humano, pois é o único capaz de estancar nossa sede de sentido e de fé.

Ainda no v. 2, há outro termo bastante importante, a alma (nefesh). Na tradição bíblica, a alma é expressão da energia vital do ser. Ela está vinculada a uma parte do corpo responsável por engolir e respirar, a garganta. Podemos, uma vez mais, perceber a profundidade da imagem utilizada pelo salmista ao aproximar a imagem do ser humano de desejos à composição físico-corpórea dos animais.

Em muitos casos, o termo “alma” pode designar o estômago, outras vezes, a respiração e o sopro. No salmo 42, a alma é expressão da fome, do desejo pelo alimento que garante sua sobrevivência. Ampliando a hermenêutica, a alma não está somente referida à sobrevivência físico-biológica, mas à sobrevivência emocional e espiritual da pessoa, ela é o espaço da saudade e do desejo humano. Não se refere a “algo imaterial”, como estamos acostumados a cogitar em nossas catequeses, mas designa aquilo que é “centro da vida da pessoa, em seu sentir, respirar, reagir e no seu decidir”. Refere-se, em todo caso, ao ser humano como um ser de desejo, capaz de desejo. Assim como a corça estica a garganta para buscar água, o orante do salmo abre a sua alma para beber daquela fonte que é princípio de vida: Deus; sem o qual sua vida já não apresenta nenhuma força, sem o qual nossas vidas continuarão errantes e sem sentido.

*Tânia da Silva Mayer é mestra e bacharela em Teologia pela Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE); graduanda em Letras pela UFMG. Escreve às terças-feiras. E-mail: taniamayer.palavra@gmail.com.