Radio Vaticano Domingo, 16 de agosto,

Angelus com o Papa Francisco na Praça de S. Pedro. Grande multidão saudou o Santo Padre que, da janela do Palácio Apostólico, referiu que nestas semanas o Evangelho de S. João nos tem proposto o discurso de Jesus sobre o ‘Pão da Vida’, que é Ele mesmo e também o sacramento da Eucaristia.

A passagem do Evangelho deste XX domingo do Tempo Comum, no capítulo 6 de S. João, relata que algumas pessoas se escandalizaram porque Jesus disse: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia”.

angelus

Segundo o Papa Francisco, Jesus usa o estilo dos profetas para provocar em nós perguntas e decisões. Quando afirma “comer a carne e beber o sangue”, o que significa isto então? É só uma imagem ou é qualquer coisa de real? – perguntou o Santo Padre.

Para termos uma resposta é preciso intuir o que acontece no coração de Jesus enquanto parte o pão para a multidão esfomeada. Sabendo que deverá morrer na Cruz por nós, Jesus identifica-se com aquele pão partilhado e isso torna-se para Ele um ‘sinal’ do sacrifício que o espera – sublinhou o Papa que salientou as palavras de Jesus: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em Mim e eu nele”.

A comunhão é assimilação, pois tornamo-nos como Jesus. Mas para isso é preciso o nosso sim, a nossa adesão de fé – afirmou o Santo Padre.
“Mas a Eucaristia não é uma oração privada ou uma bela experiência espiritual, não é uma simples comemoração daquilo que Jesus fez na Última Ceia: a Eucaristia é ‘memorial’, ou seja, um gesto que atualiza e torna presente o evento da morte e ressurreição de Jesus: o pão é realmente o seu Corpo dado por nós, o vinho é realmente o seu Sangue versado por nós.”

“ A Eucaristia é o próprio Jesus que se dá inteiramente a nós. Nutrirmo-nos d’Ele e morar n’Ele mediante a comunhão eucarística, se o fazemos com fé, transforma a nossa vida num dom a Deus e aos irmãos.

Nutrirmo-nos do Pão da Vida significa entrar em sintonia com o coração de Cristo, assimilar as suas escolhas, os seus pensamentos, os seus comportamentos. Significa entrar num dinamismo de amor e tornarmo-nos pessoas de paz, de perdão, de reconciliação, de partilha solidária.”

Após a recitação da oração do Angelus o Papa Francisco saudou todos os fiéis presentes, em particular, os muitos jovens do Movimento Juvenil Salesiano reunidos em Turim nos lugares de S. João Bosco para celebrar o bicentenário do seu nascimento.

O Papa Francisco a todos desejou um bom domingo e um bom almoço pedindo que não nos esqueçamos de rezar por ele.