Clemente foi o quarto Papa da Igreja de Roma, ainda no primeiro século. Vivia em Roma e foi contemporâneo de São João Evangelista, São Felipe e São Paulo. A antiga tradição cristã o apresenta como filho do senador Faustino, da família Flávia, parente do imperador Domiciano

Governou a Igreja por longo período, do ano 88 ao 97, no qual levou adiante a evangelização, firmemente centrada nos princípios da doutrina. Foi considerado o autor da célebre Carta aos Coríntios. Através da Carta, Clemente I os animou a perseverarem na , na caridade ensinada por Cristo e participarem da união com a Igreja. 

Restabeleceu o uso da Crisma, seguindo a tradição de São Pedro e instituiu o uso da expressão “Amém” nos ritos religiosos. Com sua atuação séria e exemplar, converteu até Domitila, irmã do imperador Domiciano, fato que ajudou muito para amenizar a sangrenta perseguição aos cristãos. Por causa de suas ações, o papa Clemente I acabou exilado na Criméia, onde encontrou milhares de cristãos abandonados.  

Passou a encorajá-los a perseverarem na fé e converteu muitos outros pagãos. Novamente, suas atitudes desagradaram as lideranças pagãs. O imperador mandou jogá-lo ao mar Negro com uma âncora amarrada ao pescoço. Tudo aconteceu no dia 23 de novembro do ano 101.

O Papa São Clemente I, na sua Carta aos Coríntios, faz-nos este convite: “Olhemos para o Pai e Criador de todo o universo. Afeiçoemo-nos aos dons e benefícios da paz, magníficos e sublimes. O Criador e Senhor do universo dispôs que todas as coisas acontecessem em paz e na concórdia, bondoso para com tudo e, de modo particular, para conosco que recorremos à sua piedade por intercessão de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Oração
Senhor Jesus, vós que confiastes a Pedro o cuidado de vossas ovelhas, infundi vosso Espírito em vosso sucessor, o Papa. Que ele se alimente de vossa vontade e guie a Igreja segundo os desígnios do Pai que Vós mesmo revelastes. Amém.
 

Texto: Retirado originalmente do site Santuário Nacional Aparecida.