A Santa de hoje é uma grande testemunha de fé e santidade para todos nós. Santa Margarida de Cortona nasceu em 1247, em Alviano, na Itália. Órfã de mãe e tratada duramente pelo pai e pela madrasta, tornou-se uma linda jovem que conquistou o coração de um rico homem, com quem viveu amasiada por nove anos.
Aconteceu que o rico jovem foi assassinado. Graças a uma cachorrinha de estimação, que indicou o lugar do crime, Margarida pôde encontrar o corpo do amante, já em decomposição. Diante da visão da finitude humana, Margarida tomou consciência das futilidades de sua vida. Mudou-se para Cortona onde recebeu o sacramento da Reconciliação.
A partir da conversão, a vida de Margarida foi uma luta constante para a santidade através dos exercícios de penitência, ao ponto de fazer de uma pedra o seu travesseiro, o chão de cama e como alimento apenas pão e água. Aceitou viver três anos de retiro e penitência, entrando em seguida para a Ordem Terceira, onde levou uma vida de extrema austeridade.
Viveu da oração e sacrifício, isto mesmo na dor, provações e sofrimentos. Purificada e liberta do domínio dos erros, Santa Margarida de Cortona entrou no encontrou-se com Deus em 1297.

      Nem sempre nossa vida é um espelho de boas ações. Somos pressionados de todos os lados e, às vezes, cedemos ao exercício das ações egoístas e desumanas. Santa Margarida de Cortona teve uma infância turbulenta e uma vida marcada pelo erro. Sua conversão levou-a ao reencontro profundo com Deus. Ela tomou consciência da verdadeira vocação humana e gastou seus dias louvando a Deus e fazendo obras de caridade. Que o exemplo de santa Margarida nos inspire a reencontrar também o caminho do amor de Deus, servindo com caridade os mais sofredores e abandonados.

Texto: Publicado originalmente no site Santuário Nacional Aparecida.